Home Artigos e colunas Artigos instrutivos Paraquedas reserva (Manual do Parapente Obediente)
Banner
Paraquedas reserva (Manual do Parapente Obediente) PDF Imprimir Envie este artigo para um amigo

kurt vôo livre paraquedas reserva

Trecho do livro Manual do Parapente Obediente do instrutor Kurt.

 

V - PÁRA-QUEDAS RESERVA

Se finalmente o piloto deixar de ser piloto, passando a ficar a mercê das travessuras de sua asa, e quando essas travessuras expõe a sua vida a um risco declarado, o uso do pára-quedas de emergência acaba sendo a alternativa possível. Mas antes de falarmos propriamente do uso do reserva não podemos deixar de mencionar certos detalhes desse equipamento.

1 - DOBRAGEM

Este manual não se propõe a ensinar a dobragem do reserva, até porque existem vídeos que o explicam de forma detalhada.
Mas vale frisarmos a necessidade de uma redobragem periódica do reserva.
Quanto maior for a umidade a que a selete do piloto fica exposta, tanto maior a freqüência dessa redobragem. Naturalmente no caso de um reserva que se molha em virtude da chuva, ou outro motivo, o mesmo deve ser imediatamente aberto e seco.
Como padrão, os manuais dos fabricantes recomendam a redobragem a cada seis meses e, salvo a preguiça, não há motivo para desrespeitarmos esse prazo, mesmo que na prática já tenhamos visto reservas que ficaram há mais de dois anos fechados e que ainda estavam em boas condições de umidade e estática.

2 - EXPERIMENTANDO O SAQUE

Nos cursos de pilotagem que ministro sobre a água, antes de iniciarmos os vôos, todo piloto veste sua selete e saca o seu reserva.
É incrível, mas cerca de 20% dos pilotos não o conseguem, ou têm uma enorme dificuldade para sacar os seus reservas de dentro dos containeres de suas seletes. É como se estivessem sem seus reservas.
O fato se deve a uma montagem incorreta do sistema, normalmente quando a tira da alça de lançamento se estica antes que os pinos-trava liberem a abertura do container.

Outro fator que pode dificultar a abertura do container é quando o piloto puxa a alça num sentido (geralmente para cima) em que o velcro apresenta um atrito enorme. As faces macho e fêmea do velcro devem ser desgrudadas num movimento de rolagem, num movimento de torção do pulso.

Nesse sentido é fundamental que o piloto não apenas redobre seu reserva periodicamente, mas que também experimente sacá-lo com freqüência, sempre que o velcro começar a ficar “viciado”, colado demais.

Quanto à conexão da tira principal do reserva no bridle da selete, o ideal é que sejam unidos por um mosquetão de aço. 
Se os mesmos estiverem unidos por um nó, que na verdade é uma laçada que se estrangula com a tração, não há problema desde que esse nó esteja bem justo, bem apertado, para evitar que as fitas se queimem no momento da tração, tamanho é o atrito caso o nó esteja folgado.

3 - MOMENTO DO LANÇAMENTO

O lançamento do reserva não é lá uma alternativa garantida de um retorno suave e amoroso ao chão. Por esse motivo vemos com uma certa antipatia, absolutamente justa, a opção “reserva”. Mas às vezes essa antipatia atrasa muito uma decisão que muitas vezes tem um prazo relativamente curto para ser tomada.
E ainda, algumas vezes a situação é tal que o piloto é tomado por uma configuração psicológica - a mesma que os cristais apresentam - chamada de cristalização. Coisas podemos tecer a partir daí.

Quanto à cristalização do piloto, nada há para ser feito depois que a mesma se configura, e a experiência acumulada nesses meus mais de 15 anos de instrução indicam que alertas via rádio (se o piloto o portar), raramente surtem algum efeito. Mas não custa tentarmos.

O problema é realmente grave, e por melhor que tenha sido a instrução, ou por mais experiência que o piloto tenha, quando um ser humano se encontra nesse estado de apatia diante da iminência da morte, e não há ninguém para ir lá sacudi-lo fisicamente...

Com relação a isso, não sou especialista no assunto, mas imagino que drogas, sem esquecermos do “inocente” álcool, bem como uma mente e um corpo cansados ou estressados, uma balada na noite, ou mesmo um estado psicológico de tristeza, uma briga com o cônjuge, por exemplo, podem contribuir para esse estado de cristalização, de indiferença perante a possibilidade da morte.

Excetuando os casos de cristalização, portanto onde o piloto está plenamente apto e consciente para optar pelo reserva, vejamos que circunstâncias poderiam levá-lo a escolher essa forma de parachutagem (reserva).

1 – Se o piloto ainda é pouco experiente, não sabe que tipo de enrosco o seu equipamento apresenta bem como as conseqüências, não tem uma noção se a altura é suficiente para aguardar a regularização de seu vôo, além de não saber o que fazer - e essa é uma situação lastimável na qual se encontra uma parte significativa dos pilotos -, mas pelo menos tem condições e iniciativa de optar pelo reserva, que então este piloto não vacile e opte pelo reserva. Melhor do que a apatia, ou então ficar na dúvida do “jogo, ou não?”, até que seu anjo da guarda o livre dali, de uma forma, ou de outra...

Enrosco + dúvida = reserva

2 – Sempre que, independentemente da causa, o parapente assumir, contra a vontade do piloto, uma configuração de espiral - que pode, ou não, estar com colapso assimétrico/gravata - sem que o piloto consiga desta sair, o reserva é bem vindo. 
E se o piloto, por nunca ter feito uma espiral na vida, não souber reconhecer uma espiral? No capítulo que trata das espirais, foram dadas as setas que nos ajudam a sinalizar uma espiral. Mas, quem nunca experimentou uma espiral pode não saber reconhecer uma, principalmente quando acontece inesperadamente.

Espiral involuntária = saia já !!! ou reserva !!!

3 - Se juntamente com a espiral houver uma gravata e um twist, então os ingredientes estão completos para que recorramos ao reserva. Se houver altura suficiente ( + de 1000 m) e o piloto for um ser humano incomum, conseguindo sair da espiral usando os freios acima do twist, para então resolver o restante do enrosco... palmas para ele !!!

Espiral + gravata + twist = reserva

4 – Se o parapente estiver numa configuração de estol, e houver twist, significa que dificilmente o piloto está de posse do controle dos freios. Isso pode trazer surpresas caso o parapente volte ao vôo por conta própria. Por exemplo, o parapente pode voltar ao vôo com um avanço assimétrico, que naturalmente resulta num colapso assimétrico com seqüente entrada em espiral. Ou seja, a decisão do reserva vai depender da altura. 
Mas quantos pilotos saberão reconhecer um estol? Quem nunca vivenciou um estol, dificilmente reconhece a configuração logo na primeira vez, principalmente quando ocorre de forma inesperada.

Estol + twist + muita altura ( + de 1000 m) = sem urgência para o reserva
Estol + twist + pouca altura ( - de 500 m) = reserva já !!!

5 – Se finalmente o parapente apresentar algum problema estrutural, como ruptura de linhas ou tecido, e o piloto sentir dificuldade no controle, ou perceber um grande afundamento, o reserva está ali para emendar a situação.

4 - LANÇAMENTO

O procedimento é:
Olhar para o punho/alça de lançamento (que não coincidente é vermelho), agarrá-lo com firmeza, desenrolar o velcro (quando houver), e lançar o reserva para o lado (o mesmo lado em que estava o punho, para evitar que o bridle passe pelo pescoço do piloto), com a maior força possível.

OBS. - O procedimento de trazer o pacote do reserva até perto de si ( a fim de melhorar a alavanca do movimento de lançamento), para então lançá-lo, no caso de uma forte espiral, onde a força centrífuga é enorme, é impossível de fazê-lo. Isso é possível e viável apenas quando o parapente não estiver num giro forte.

Se o reserva não abrir, o piloto deve puxar o bridle, as linhas, ou a parte do conjunto do reserva que estiver à mão, e sacudi-lo, ou desenroscá-lo, a fim de tirar a parafernália de um vício, inércia, ou urucubaca da qual esteja impregnada.

5 - DEPOIS QUE O RESERVA ABRIU

A primeira coisa a ser feita depois que o reserva está aberto é matar a sustentação do parapente. Caso isso não seja feito, o parapente continuará gerando sustentação, e com isso, ao invés do reserva ficar sobre a cabeça do piloto, onde sua menor taxa de afundamento é obtida, o reserva ficará inclinado, medindo forças lateralmente com o parapente, o que implica numa grande taxa de afundamento.

Para anular a sustentação do parapente há algumas opções.

1 – Puxar completamente os freios, com umas duas voltas de sua linha nas mãos, e assim mantê-los até a chegada no chão, é a maneira mais rápida e eficiente de anular o parapente, o que já foi testado inúmeras vezes sobre a água, com 100% de eficácia. Não há necessidade de recolher o parapente, bastando mantê-lo completamente freado.

2 – Puxar os tirantes “b”, fazendo um  b-stall,  e assim mantê-lo até a chegada no chão. Também funciona, mas se o piloto jogou o reserva um pouco alto, é um pouco cansativo manter esse b-stall.

3 – Recolher o parapente começando através das linhas “c” centrais, e depois trazer todo o “bololô” restante para o colo, também funciona.

Das três formas expostas, a primeira é a que mais tenho visto trazer bons resultados, além de ser a mais simples de ser executada.

4 – Nos casos em que o parapente está twistado, primeiramente o piloto deve tentar puxar os freios ao máximo, como já sugerimos anteriormente, e talvez a primeira forma de anular o vôo do parapente seja conseguida. Se não for possível anular o vôo do parapente simplesmente puxando os freios, o piloto deve procurar puxar todo aquele emaranhado até si, para então tentar localizar as linhas de freio e puxá-las, ou então se a bagunça estiver muita confusa, ele deve tentar  puxar qualquer linha, a fim de quebrar o restante de sua asa.

Fazer tudo isso sem luvas, deve ser ainda mais emocionante.

Depois que o parapente estiver domado e o reserva estiver sobre a cabeça do piloto, vale a pena não perder a raridade do evento, apreciando a beleza do momento. O reserva aberto sobre nossas cabeças é muito bonito !!! É um belo capítulo da história.

A chegada ao chão é outro capítulo...

6 - CHEGANDO NO CHÃO

Chegar de reserva no chão não é muito diferente do que pular do telhado de uma casa. O impacto é considerável. A taxa de queda de um reserva (adequado para o peso do piloto) num ar calmo é de aproximadamente 5m/s (18 km/h). Se o piloto estiver numa descendente, a taxa de queda é incrementada somando-se os 5m/s + a descendente.

Para a chegada no chão, dizem os pára-quedistas, os especialistas, que as pernas devem estar ligeiramente flexionadas e bem unidas, e no momento da queda enquanto as pernas absorvem o impacto, o corpo deve tombar lateralmente, num movimento de rolamento, o que ajuda a dissipar a energia, evitando maiores danos ao esqueleto.

Se a descida ocorrer sobre árvores e essas forem altas, não é conveniente que o piloto se desconecte do seu equipamento. Já houve pilotos que pousaram sobre árvores, comunicaram pelo rádio que estava tudo bem, e depois que se desconectaram de seu equipamento despencaram lá de cima. Depois não foram mais achados, ou melhor, encontraram apenas seus corpos.

E se o piloto não conseguiu lançar o reserva, ou então se o mesmo enroscou no seu parapente?

Nesse caso podemos tecer alguns comentários.

O que precisamos entender é que a chegada ao chão por conta de uma pane, será quase sempre mortal se a pane em questão configurar uma espiral (que ultrapassa com facilidade os 15m/s (55km/h) de afundamento, além da grande velocidade tangencial).

Chegar ao chão num full-stall, ou numa parachutagem, ou ainda num fly-back (este é o melhor), não é assim tão dramático.

Um full e uma parachutagem afundam aproximadamente 8m/s (esse valor depende muito do modelo do parapente), enquanto um fly-back bem configurado chega a afundar uns 5m/s, às vezes até menos, dependendo do parapente e da habilidade do piloto. Já consegui taxas de afundamento próximas a 4m/s.

Isso significa que na impossibilidade do reserva, o piloto deve sim tentar trazer a sua vela até um estol, de preferência um fly-back, puxando os freios e os mantendo puxados, mesmo que esteja twistado, e assim permanecer com os freios acionados até a chegada ao chão.

Note que o reserva só pode ser lançado para o lado de sua montagem, para o lado por onde passa o bridle de fixação na selete, independentemente para que lado gira (se estiver em giro) o parapente.

Kurt

Joomla Templates and Joomla Extensions by ZooTemplate.Com
 

Guia 4 Ventos edição gráfica

Guia 4 Ventos - Rampas de voo livre do Brasil

Apenas R$ 25,00
+ taxa de correio.

Banner
Google Analytics Alternative