Home Artigos e colunas Artigos instrutivos O ar em movimento (José Carlos Figueiredo Silva-Portugal)
Banner
O ar em movimento (José Carlos Figueiredo Silva-Portugal) PDF Imprimir Envie este artigo para um amigo

O Ar em volta da terra

O globo terrestre está envolvido por uma camada gasosa, a que se deu o nome de atmosfera, e que devido ao seu movimento de rotação, é mais espessa no equador do que nos pólos.

A atmosfera está dividida em várias camadas, no entanto para o nosso voo, apenas interessa conhecer a mais próxima da superfície, que é composta por uma mistura gasosa em permanente movimento, denominada Ar, e que por essa mesma razão se designa Tropoesfera.

O Ar é composto por 2 tipos de gazes, permanentes e variáveis (Vapor de água), e as suas características de estado principais são a sua pressão (Atmosférica) e a sua temperatura, diminuindo ambas com a altitude.

A esta diminuição chama-se gradiente de pressão e gradiente de temperatura, sendo a pressão considerada normal de 1013 milibares (mb), a unidade de medida de pressão, e a de temperatura como sabemos é o grau centígrado (ºC), sendo o gradiente médio de 6,5 C' por cada I 000 metros.

 

A circulação geral da atmosfera.

A variação do ângulo de incidência dos raios solares à superfície, entre as zonas polares onde é tangencial, e as zonas equatoriais onde é perpendicular, provoca grandes diferenças de temperatura e como tal faixas de pressão localizadas , responsáveis pelos vários climas do globo.


- Altas pressões polares - Baixas temperaturas / Ar muito denso / Altas pressões de origem térmica.


- Baixas pressões subpolares - Movimento de compensação ascendente / Ar pouco denso / Baixas pressões de origem dinâmica.


- Altas pressões subtropicais - Movimento de compensação descendente / Ar denso / Altas pressões de origem ca.


O ar em movimento - vôo livre- Baixas pressões equatoriais - Altas temperaturas / Ar

muito pouco denso / Baixas pressões de origem térmica,

variação da pressão à superfície é representada nas chamadas

"Cartas Meteorológicas", através de linhas isóbaras que unem

pontos de igual pressão, definindo campos e núcleos de pressão.

Os núcleos de pressão denominam-se consoante esta diminua

ou aumente para o centro, respectivamente:


Baixa pressão ou Depressão, e Alta pressão ou Anticiclone.

No Anticiclone o movimento do ar é descendente expandindo-se à superfície, enquanto na Depressão movimento é ascendente concentrando-se à superfície.

o ar em movimento - vôo livre







O ar em movimento - vôo livre


Pela ação do diferencial de pressões, juntamente com

o efeito de Coriolis gerado pelo movimento de rotação

da Terra, o ar circula das altas para as baixas

pressões, em espiral ao longo das lsóbaras, com um

desvio no sentido da depressão.


No hemisfério norte o ar circula no Anticiclone como a

enroscar um parafuso e na Depressão como a

desenroscar, enquanto no hemisfério sul o sentido de

rotação se inverte.


Sistemas frontais:

No seu movimento, as massas de ar de diferentes características de temperatura , pressão e humidade, encontram-se, dando origem ao chamado sistema frontal, que é composto, de um modo geral, por uma frente fria, o motor do sistema, e uma frente quente que a antecede.


O ar em movimento - vôo livreA faixa onde o ar mais frio e denso embate na massa de ar

temperado e menos denso, empurrando-a em forma de

cunha e obrigando-a a subir, designa-se por frente fria. A

faixa onde a massa de ar temperado volta a ter contacto

com ar mais frio e denso, sendo assim forçado a subir

também em forma de cunha, designa-se por frente quente.


Quando ambas as frentes se encontram à superfície, na

fase final do sistema , diz-se que estamos em presença de

uma oclusão ou frente oclusa.


As nuvens:

O choque de massas de ar húmidas, secas e quentes ou frias, através de processos de condensação do vapor de água por saturação de humidade, dá origem à formação de nebulosidade de diferentes tipos e formas.


O ar em movimento - vôo livreClassificação das nuvens:

a. Nuvens altas - 6000 a 12000 metros:

- Cirros (Ci)

-Cirrocúmulos (Cc)

-Cirrostratos (Cs)

b. Nuvens médias - 2000 a 6000 metros:

- Altocúmulos (Ac)

- Altostratos (As)

c. Nuvens baixas - Solo a 2000 metros:

- Estratocumulos (Sc)

- Estratos (St)

- Nimbostratos (Ns)

d.Nuvens de desenvolvimento vertical 500 a 12000 metros: - Cúmulos (Cu):

- Cúmulos humilis.

- Cúmulos mediocrls - Cúmulos conjestus - Cumulonimbos (Cb)

As nuvens de desenvolvimento vertical ,são as que maior importância têm para o voo, uma vez que materializam as maiores massas de ar ascendente,, possibilitando-nos a sua visualização e assim evitando ou facilitando, no caso dos cúmulos, o seu aproveitamento.

A forma e desenvolvimento destas nuvens permite-nos avaliar a força ou dimensão das ascendentes, evidenciando eventuais perigos com turbulências demasiado violentas para o parapente, como os Cúmulos conjestus ou Cumulonimbos que são nuvens de grande desenvolvimento.

Estes 2 tipos de cúmulos representam um perigo mortal para o parapentista, pelo que não deve de modo nenhum voar em dias de forte instabilidade.


Ar estável e instável:

De um modo geral um dia calmo, ideal para o voo tranquilo, que apresente ar estável, está associado a situações Anticiclónicas, às horas do dia de menor calor e a locais junto ao mar.

Veja outras informações sobre nuvens na sessão Meteorologia aqui no Guia 4 Ventos

Joomla Templates and Joomla Extensions by ZooTemplate.Com
 

Guia 4 Ventos edição gráfica

Guia 4 Ventos - Rampas de voo livre do Brasil

Apenas R$ 25,00
+ taxa de correio.

Banner
Google Analytics Alternative